Ricos não ficam presos

O que está por trás das decisões que permitem conceder a liberdade a pessoas que foram condenadas a cumprir penas que ultrapassam 120 anos de prisão — e por que o sistema penal no Brasil parece incapaz de dar o mesmo tratamento a todos, mantendo os mais pobres presos enquanto solta os que enriqueceram com dinheiro público

Réu na Justiça Federal do Rio de Janeiro pelos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa, o empresário Eike Batista, que já ostentou o título de homem mais rico do Brasil, foi preso em janeiro num dos desdobramentos da operação Lava-Jato. Por decisão de Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Eike voltou para casa no dia 30 de abril. Está solto.

Também investigada por corrupção e lavagem de dinheiro, Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, obteve no Superior Tribunal de Justiça (STJ) o direito de deixar a cadeia. Se Adriana fosse uma brasileira comum, a suspeita de que ela pode destruir provas já bastaria para mandá-la de volta ao cárcere — como entende, inclusive, o Ministério Público Federal. Mas, como Eike, ela está solta.

Por que é tão difícil manter preso quem rouba os cofres públicos no Brasil? “Não há uma resposta fácil. Em primeiro lugar, o Código Penal dá um tratamento mais grave a crimes praticados com violência ou ameaça à pessoa, algo que raramente ocorre nos crimes financeiros”, diz a doutora em Direito Penal e professora da Universidade de São Paulo Helena Lobo da Costa. “Além disso, uma pessoa só pode cumprir a pena depois que o processo é ‘transitado em julgado’”, acrescenta, referindo-se às condenações em que não cabe recurso. Em alguns dos casos mostrados nesta reportagem, os réus ainda não foram condenados em segunda instância, o que, segundo o atual entendimento STF, permite que aguardem o julgamento em liberdade. “O advogado pode fazer diferença — ou não”, diz Helena.

Na prática, o sistema judicial coloca em vantagem aqueles que pode impetrar recursos, garantindo que o processo percorra um longo caminho por todas as instâncias e no tempo previsto na lei. Como o sistema penal é falho na outra ponta, para quem conta apenas com a Defensoria Pública ou advogados despreparados, a sensação é que a Justiça trata os brasileiros de forma desigual.

A aparente impunidade dos ricos se torna mais evidente com a delação premiada, procedimento usado nas investigações da Lava-Jato para obter provas. O doleiro Alberto Youssef foi um dos premiados por delatar o esquema de pagamento de propinas em contratos da Petrobras. Condenado a 121 anos e 11 meses de prisão, ficou detido por dois anos e oito meses até passar para o regime domiciliar, monitorado por uma tornozeleira eletrônica.
 1 de 7 Eike Batista Réu na Justiça Federal do Rio de Janeiro por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa, voltou para casa no dia 30 de abril



 2 de 7 José Carlos Bumlai O pecuarista foi condenado a 9 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de gestão fraudulenta e corrupção passiva. A prisão domiciliar foi revogada pelo STF em 25 de abril



 3 de 7 Alberto Youssef Condenado a 121 anos e 11 meses de prisão, o doleiro e um dos principais delatores da Lava-Jato, ficou preso dois anos e oito meses. Deixou a carceragem da Polícia Federal de Curitiba em 17 de novembro



 4 de 7 Dalton Avancini Ex-presidente da Camargo Corrêa, preso em novembro de 2014, acusado de lavagem de dinheiro, corrupção e organização criminosa. Cumpre prisão domiciliar desde março de 2015



 5 de 7 Adriana Ancelmo Mulher do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), investigada por corrupção e lavagem de dinheiro. Obteve no STJ (Superior Tribunal de Justiça) o direito de cumprir prisão domiciliar



 6 de 7 Paulo Roberto Costa Ex-diretor de abastecimento da Petrobras. Condenado a 20 anos, cumpriu a pena em regime semi-aberto de outubro de 2015 a outubro de 2016. Sem tornozeleira desde então

 7 de 7 Pedro Barusco Ex-gerente da Petrobras, condenado a 18 anos e quatro meses. Teve a pena reduzida para dois anos em regime semiaberto depois da delação premiada

Prêmios desproporcionais

O artigo 4º da Lei 12.850 prevê que o juiz reduza a pena de reclusão ou a substitua desde que a delação resulte em avanços no crime investigado. O artigo também lista o que é considerado válido para a obtenção do benefício, como a identificação dos demais envolvidos e a recuperação do produto da ação criminosa. É claro que a Justiça deve oferecer alguma vantagem para o delator que fornece evidências, mas parece desproporcional que o prêmio a quem já se beneficiou de um esquema ilícito seja a redução de quase 120 anos sem seu período de reclusão. “A pena de privação da liberdade tem a função de ressocializar o condenado. Os prêmios desproporcionais dados a quem faz acordos de delação ignoram esse princípio e desfavorecem a noção de justiça”, diz o advogado Walter Bittar, autor do livro “Delação Premiada” (Lumen Juris). “A função da pena é inibir o comportamento que a sociedade não tolera, e por isso deve haver uma correlação entre o delito cometido e o prêmio dado a quem apenas coopera com as investigações, sem ter delatado nada de relevante”, afirma o especialista. Para ele, nada justifica que 73 executivos da construtora Odebrecht investigados na Lava-Jato recebam benefícios por fornecer provas à força-tarefa.
Outros que colaboraram com as investigações e já comemoram a vida em liberdade: Dalton Avancini, ex-presidente da Camargo Corrêa; José Carlos Bumlai, condenado a 9 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de gestão fraudulenta e corrupção passiva; e Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras, condenado a 18 anos e quatro meses. Todos soltos.

O crime parece ter mesmo compensado para o ex-diretor de abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa. Condenado a 20 anos, o primeiro delator da Lava-Jato cumpriu parte da pena em regime semi-aberto por apenas um ano. Desde o final de 2016, ele sequer precisa usar tornozeleira ou retornar para casa no fim do dia. “Na prática, os prêmios concedidos ao delator podem chegar até a devolução de valores obtidos de forma ilícita. É como se o Estado estivesse lavando o dinheiro para os criminosos”, diz Bittar. Dinheiro público, infelizmente.

Fonte: https://istoe.com.br/ricos-nao-ficam-presos/?fbclid=IwAR2m6U7y9c1UZ-0DUGe8o_O1CpRAt4YrJrSbw8A78siCoUg8LKZivv0bQvQ

COMMENTS

Nome

ALBA,36,Aliança Pelo Brasil,3,Bahia,455,BANDIDOS,1,BOLSONARO,22,BOLSOPNARO,30,Brasil,593,Brasília,10,Camaçari,2,cidade,1,Cláudia Wild,4,Colunista,3,Colunista Jovem,6,Condeúba,5,Corrupção,2,Crime Organizado,6,CRIMINOSOS DA POLITICA,1,Cristão,1,Cultura,3,D'jane Silva,6,Débora Santana,1,Denúncia,35,des,1,Destaque,902,Economia,41,Educacao,14,eleições 2020,1,Elizeu Rosa,33,Entretenimento,58,Esporte,19,Eunápolis,19,Evangélicos,1,Fé,2,Feira de Santana,30,FIES,1,General Mourão,2,Gospel,1,Governador Mangabeira,12,Ilhéus,21,Internacional,6,intretenimento,8,Israel,1,Itabuna,25,Jequié,77,Justiça,2,Lauri de Freitas,1,Lauro de Freitas,5,Libertacao,1,MARGINAIS,1,Ministra Damares,1,MPF,1,Mundo,95,Noticias,1161,nundi=o,1,op,1,Otto Filho,1,Partido,2,PASTORA,1,PGR,2,poli,1,polícia,1,Polícia & Poder,1,Politica,585,Política&Poder,4,Porto Seguro,15,Presidente Tancredo Neves,5,PSD,1,PSOL DE TRAFICANTES,1,Salvador,422,Saúde,18,Segurança Pública,13,STF,1,Teixeira de Freitas,23,Vitória da Conquista,33,
ltr
item
Âncora da Globo: Ricos não ficam presos
Ricos não ficam presos
https://1.bp.blogspot.com/-pd-Unho2_Xs/XipguM6D-_I/AAAAAAAAFIY/lwofa421oR4aceAODfFzgS0XebHVTYcAQCLcBGAsYHQ/s640/79.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-pd-Unho2_Xs/XipguM6D-_I/AAAAAAAAFIY/lwofa421oR4aceAODfFzgS0XebHVTYcAQCLcBGAsYHQ/s72-c/79.jpg
Âncora da Globo
http://www.ancoradaglobo.com.br/2020/01/ricos-nao-ficam-presos.html
http://www.ancoradaglobo.com.br/
http://www.ancoradaglobo.com.br/
http://www.ancoradaglobo.com.br/2020/01/ricos-nao-ficam-presos.html
true
3455109510968606027
UTF-8
Todas as publicações Não foi encontrada nenhuma postagem VER TUDO Mais informação Resposta Cancelar resposta Delete Por Home PAGES POSTS View All RECOMENDADO PARA VOCÊ LABEL ARQUIVO PESQUISA TODAS AS PUBLICAÇÕES Não encontrou nenhuma correspondência de pós com seu pedido Voltar Início Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS CONTENT IS PREMIUM Please share to unlock Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy